Navegue
Tempo médio de reparo: o que essa métrica diz sobre sua estratégia de manutenção
Compartilhar no facebook
Compartilhe no Facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhe no Twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhe no Linkedin

Tempo médio de reparo: o que essa métrica diz sobre sua estratégia de manutenção

Você consegue avaliar a eficiência da sua estratégia de manutenção? Qual é o tempo médio de reparo de um equipamento após a ocorrência de uma falha? A métrica MTTR (mean time to repair – tempo médio de reparo), avaliada após identificar a MTBF (mean time between failures – tempo médio entre falhas), aponta a eficiência das ações corretivas e permite reduzir o downtime.

A MTTR abrange o tempo entre o início da falha e o momento em que o equipamento ou sistema retorna à produção, ou seja, quanto tempo esteve fora de produção. O período inclui tempo de notificação, tempo de diagnóstico, tempo de correção, tempo de espera, remontagem, alinhamento, calibração, tempo de teste e retorno à produção. Em geral, a métrica não leva em consideração o tempo de entrega das peças, mas certamente esse é um item da estratégia de manutenção que tem grande influência no resultado final do tempo médio de reparo.

Quando pensamos em equipamentos críticos, ser capaz de reduzir o índice de tempo médio de reparo pode ser a diferença entre a lucratividade e o prejuízo. Uma excessiva demora no conserto de equipamentos pode significar retrabalho, perda de contratos e até o fim de relacionamentos comerciais.

 

Como medir o MTTR

O índice de tempo médio de reparo é calculado utilizando a média de tempo que se leva para executar um reparo após a ocorrência da falha.

Primeiro, é preciso identificar o número de paradas e tempo de cada uma. Quando se calcula o MTBF já tem esse número.

Veja como calcular o MTBF:

MTBF = (Tempo total disponível – Tempo perdido) / (Número de paradas)

Exemplo:

  • Ao longo de um certo período de tempo disponível para operar foi observado:
    • Tempo total disponível para operar = 24 horas
    • Ocorreram 3 paradas sendo cada uma delas: 1 hora, 2 horas e 30 minutos (0,5 horas)
  • MTBF = [24 – (1+2+0,5)] / 3 = 6,8333 horas ou 410 minutos

Assim, para calcular o MTTR, temos:

MTTR = (Tempo total de reparo) / (quantidade de falhas)

Usando o exemplo acima, temos o seguinte resultado:

MTTR = (1+2+0,5) / 3 = 1,1666 horas ou 70 minutos

Esse resultado indica o tempo médio que a máquina ficou parada. Fazendo um paralelo com os dois índices, conclui-se que, a cada 2 horas, o sistema ficará indisponível por 15 minutos.

Quanto menor o MTTR, mais eficiente é a equipe de manutenção.

 

Garantindo a disponibilidade dos equipamentos

Uma vez registrados os valores das métricas MTBF e MTTR, é possível calcular a disponibilidade do equipamento a partir da seguinte relação:

E vale lembrar que garantir a disponibilidade de equipamentos e sistemas é o principal objetivo das estratégias de manutenção.

Fatores que podem aumentar o tempo médio de reparo

Entre diversos fatores que impactam negativamente na agilidade nos reparos podemos destacar:

  • Atraso na comunicação da falha/problema
  • Perda de tempo comprando ou procurando peças para reposição
  • Falta de ferramentas adequadas para a atividade
  • Tempo gasto com deslocamento de equipes técnicas
  • Falta de pessoal com conhecimento técnico para efetuar o reparo

Como obter métricas confiáveis

Os especialistas em manutenção Adalberto Fischmann e Moisés Zilber, em um artigo publicado na Revista de Administração Mackenzie, destacam que um sistema de indicadores (métricas), capaz de funcionar como um suporte para a tomada de decisões precisa garantir que:

  • Os dados e informações a serem utilizados para elaboração dos indicadores devem ter consistência e fidedignidade e estarem disponíveis dentro de prazos rígidos para refletir comportamentos em períodos de tempo previamente definidos
  • As áreas da empresa devem estar envolvidas na produção, manuseio e disposição dos dados e informações
  • As áreas da empresa devem estar treinadas e preparadas para a produção desses dados e informações e posterior utilização dos indicadores com eles construídos, como instrumento da gestão estratégica da companhia
  • Os indicadores a serem construídos deverão refletir os principais objetivos estratégicos dimensionados dentro do processo de planejamento da empresa
  • Após a construção do sistema de indicadores, este deverá ser utilizado como base para a própria elaboração do planejamento estratégico da empresa
  • Os indicadores devem refletir valores e variações reais do desempenho
  • Os indicadores devem representar sempre uma relação matemática, normalmente computando-se divisões, proporções ou multiplicações. Assim, um valor puramente não deve ser entendido como indicador, mas como um dado, informação ou informação gerencial

E, para que os dados possam ser transformados em métricas, conte com o conjunto de soluções OKTO, que permite monitorar a condição do ativo, planejar, programar e gerenciar a manutenção e, ao final, fazer a gestão da estratégia do mesmo, verificando seu grau de confiabilidade, quais equipamentos estão gerando mais quebras e construir uma gestão de risco avaliando o tempo médio de reparo.

Receba nossos conteúdos

Preencha seu email e receba nossos conteúdos sobre Gestão de Ativos

Entre em contato

Email: contato@atech.com.br
Tel.: 55 (11) 3103-4600
Rua do Rocio, 313 – 5° andar
Vila Olímpia – São Paulo – SP

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados.
Criado pela Intelligenzia