Navegue
Saiba implementar uma estratégia de gestão de riscos operacionais
Compartilhar no facebook
Compartilhe no Facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhe no Twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhe no Linkedin

Saiba implementar uma estratégia de gestão de riscos operacionais

A gestão de riscos operacionais, junto dos padrões de trabalho e de uma estratégia de manutenção com base em condições (não apenas em dados de falhas passadas) são os elementos que compõem o que chamamos de uma estratégia de gestão de ativos baseada em riscos. Por meio dessa abordagem, é possível garantir a aplicação adequada de recursos com base na criticidade dos processos, permitindo que você invista na real causa das suas perdas e não em sintomas.

Imagine, por exemplo, que uma empresa sofra de um fator limitante que cause uma queda de 25% em sua produção. Sem uma estratégia completa de gestão de ativos, incluindo um plano de gestão de riscos operacionais, é impossível descobrir que existe um problema, muito menos avaliar os indicadores de performance ideais para corrigir as falhas.

Existe uma série de contextos em que a gestão de riscos operacionais é importante. No caso da gestão de ativos, as melhores práticas ditam que deve haver um plano de gestão de riscos que aborde não apenas a operação e a manutenção dos ativos industriais, mas também os riscos associados à propriedade e ao uso desses ativos.

Se antes os mais tradicionais frameworks de gestão de riscos usados pelas empresas mantinham os riscos operacionais apenas de maneira implícita, hoje, em um cenário altamente regulado e competitivo, é essencial que as organizações visualizem os riscos de suas operações de maneira explícita.

Cumprir com padrões como ISO 9001 e ISO 55000 pode ser considerado por alguns como uma espécie de mitigação de riscos, afinal, você conta com papeis, responsabilidades, documentações e planos de ação definidos para gerir a performance e melhorar as operações. Porém, mitigar riscos é apenas uma parte de uma estratégia de gestão de riscos operacionais, que inclui ainda identificação, quantificação e priorização de riscos.

No caso da gestão de ativos, uma estratégia de riscos operacionais tem duas frentes principais: avaliação ou identificação e gestão e controles. Cada área, quando não recebe o tratamento ideal, pode contribuir para a falta de eficiência na gestão de ativos.

Para grandes plantas industriais, uma gestão de riscos efetiva é essencial para garantir a segurança dos funcionários e dos arredores. Tudo deve ser avaliado regularmente, incluindo o local em que a planta foi construída, as máquinas usadas e o que acontece com o esgotamento dos recursos naturais.

Uma estratégia de gestão de riscos operacionais eficiente não necessariamente remove todos os riscos das operações. Trata-se de um processo que envolve sistematicamente o contexto de cada ativo da empresa, bem como o processo em que está inserido, para ajudá-lo a tomar as melhores decisões para o negócio.

Veja a seguir alguns elementos essenciais para incorporar uma estratégia de gestão de riscos operacionais eficiente à gestão de ativos:

Entenda as maneiras de reduzir os riscos

Muitas empresas veem os riscos como algo incerto, não como uma oportunidade de gerar melhorias para o negócio. No caso de algumas operações, certamente existem riscos inevitáveis, porém, novas tecnologias que permitem o monitoramento de condição dos ativos, por exemplo, são maneiras viáveis de reduzir certos riscos.

Para isso, é essencial que as organizações contem com o apoio do board para desenvolver um plano de gestão de riscos bem-sucedido. Na maioria dos casos, os executivos têm o poder de decisão para direcionar recursos para o desenvolvimento de novas estratégias e para a adoção de novas plataformas. Por isso, é importante guiar a liderança em relação aos riscos relacionados à gestão de ativos, bem como para a criticidade dos processos de identificação e mitigação.

Preveja e analise as consequências em longo prazo

Ao criar um plano de gestão de riscos operacionais, é importante avaliar as consequências em longo prazo de cada ação para melhorar as metas e a precisão de cada investimento.

É impossível prever todos os tipos de desastres; porém, existem algumas maneiras de antecipar alguns riscos e pensar em ações para evitar suas consequências mais sérias. Por exemplo: a área em que sua planta está localizada está sujeita a desastres naturais? Que tal desenvolver um plano de emergência para situações desse tipo?

Um plano de gestão de riscos operacionais vai além de prever falhas nas máquinas. Em vez disso, pense também em todas as possíveis emergências ou riscos que sua organização pode enfrentar e desenvolva planos para lidar com eles rapidamente.

Revise suas ações de gestão de riscos

Toda empresa deve rever seu plano de gestão de riscos operacionais periodicamente. Sempre que uma organização fica confortável com sua estratégia atual, é possível encontrar novas áreas que precisam de melhoras ou novos riscos que ainda não foram previstos.

Para isso, é importante investir em tecnologias de gestão de ativos, como monitoramento de condição e gestão de execução, bem como no treinamento da equipe para otimizar processos e minimizar os riscos de falhas nos ativos.

Sua estratégia de gestão de ativos está adequada? A Atech conta com uma solução de gestão estratégica que vai ajudar você a identificar e definir o melhor caminho para a manutenção e a operação de seus ativos, identificando o que mais impacta sua performance produtiva. Saiba mais sobre as soluções da Atech para a área de Gestão de Ativos.

Receba nossos conteúdos

Preencha seu email e receba nossos conteúdos sobre Gestão de Ativos

Entre em contato

Email: contato@atech.com.br
Tel.: 55 (11) 3103-4600
Rua do Rocio, 313 – 5° andar
Vila Olímpia – São Paulo – SP

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados.
Criado pela Intelligenzia