Navegue
plano de confiabilidade
Compartilhar no facebook
Compartilhe no Facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhe no Twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhe no Linkedin

Saiba como criar um plano de confiabilidade para sua planta

Segundo o dicionário Michaelis, confiabilidade é a “qualidade daquele ou daquilo que é confiável; fiabilidade”. Dito assim, o conceito é muito simples e vago, e quando pensamos em um plano de confiabilidade para uma planta industrial, certamente seu sentido é muito mais amplo. É preciso ter com objetivos e planos de ação mensuráveis e limitados no tempo e, principalmente, ter consciência de que o plano não é um projeto isolado dentro do contexto das operações.

Líderes de negócios esperam que as suas plantas produzam mais, com menor custo possível, e que possam mensurar a sua eficiência. Mas nem sempre índices como o OEE (Overall Equipment Effectiveness), principal indicador para medir a eficiência dos equipamentos, faz parte da estratégia de manutenção.

Alguns especialistas em manutenção preferem usar o conceito OPR (Overall Production Realiability) – Qualidade (%) x Velocidade (%) X Disponibilidade (%) – ressaltando que esse descreve melhor a relação entre operações, manutenção e engenharia voltada para a confiabilidade, e também porque oferece a possibilidade de mensurar as perdas e falhas na produção, e não apenas nos equipamentos.

A confiabilidade é baseada na probabilidade de que um ativo físico continue a desempenhar as tarefas seguindo padrões estabelecidos pelos seus usuários, por um determinado período de tempo, e sob condições ambientais pré-determinadas. Mas o seu conceito não deixa claro como será possível atingir esse objetivo.

Por isso, é preciso implantar um plano de confiabilidade claro, com etapas bem definidas, de modo a alinhar ações e expectativas de todos os envolvidos.

Os 5 passos para criar um plano de confiabilidade

Os times de operações, manutenção e engenharia estão envolvidas na busca por maior confiabilidade da planta? Caso positivo, será que eles entendem a fundo o plano de confiabilidade e sabem como o colocar em prática? Se a resposta a uma dessas duas perguntas não foi um categórico SIM, é hora de repensar o seu plano de confiabilidade.

Confira as 5 etapas para implantar um plano de confiabilidade:

1 – Envolva todas as pessoas necessárias

Não será possível engajar todas as pessoas que devem estar envolvidas no plano de confiabilidade se apenas uma for responsável pelo seu desenvolvimento e execução. O facilitador deve conscientizar todos os envolvidos sobre a importância da confiabilidade e aproveitar as suas experiências.

2 – Determine a visão, missão e metas de confiabilidade

A visão é a situação almejada para a planta no futuro e a missão é como o objetivo será alcançado. Um exemplo desse roadmap é:

Visão – Nós alcançaremos 80% das melhores práticas acordadas pela equipe até “uma determinada data”

Missão – Nós vamos executar as melhores práticas

Objetivo – Atingiremos 90% de OEE até “uma determinada data”

3 – Crie uma lista de melhores práticas

As melhores práticas de confiabilidade são aquelas ações que melhoram a confiabilidade do equipamento. A melhor estratégia é definir as melhores práticas e as dividir por processos de trabalho – algo que pode ser documentado, executado e acompanhado.

4 – Priorize oportunidade e crie um plano detalhado

Avalie de forma criteriosa o desempenho atual da sua planta, e verifique se as melhores práticas definidas na etapa anterior estão sendo usadas. A partir daí será possível identificar quais áreas devem ser priorizadas, selecionando oportunidades de melhoria que irão gerar maior benefício financeiro.

5 – Mensure os resultados

É preciso verificar se as melhores práticas realmente estão sendo implantadas e quais são os resultados. Para isso, existem duas formas: a primeira é avaliar os processos de trabalho e a outra é gerenciar o desempenho.

O que é a manutenção baseada na confiabilidade

Haroldo Oliveira, especialista em manutenção com mais de 30 livros publicados sobre o tema, define a confiabilidade como a probabilidade de um equipamento, célula de produção, planta ou qualquer sistema funcionar normalmente em condições de projeto, por um determinado período de tempo preestabelecido. Assim, a partir de uma taxa de falha constante, pode-se estimar a probabilidade de o equipamento falhar dentro de um período definido de tempo.

A implantação do conceito do plano de confiabilidade nasceu nas atividades de manutenção de aviões, na década de 1970, e abrange quatro atividades de manutenção preventiva:

De acordo com as condições – Inspecionar um item em intervalos especificados para encontrar e corrigir falhas potenciais

Recuperação programada – Recuperar um item antes de uma vida útil especificada para reduzir a probabilidade de falha

Substituição programada – Substituir um item antes de uma via útil especificada para reduzir a probabilidade de falha

Análise de falha programada – Inspecionar detalhadamente um item verificando se não existem “falhas invisíveis”

O objetivo final do plano de confiabilidade é fazer com que as intervenções para manutenção nos equipamentos sejam vistas como uma oportunidade. Manter a disponibilidade das máquinas com confiabilidade operacional é um dos fatores que contribuem para uma maior competitividade das empresas e, no longo prazo, para a sua sustentabilidade financeira.

Receba nossos conteúdos

Preencha seu email e receba nossos conteúdos sobre Gestão de Ativos

Entre em contato

Email: contato@atech.com.br
Tel.: 55 (11) 3103-4600
Rua do Rocio, 313 – 5° andar
Vila Olímpia – São Paulo – SP

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados.
Criado pela Intelligenzia