Navegue
shutterstock_244858921
Compartilhar no facebook
Compartilhe no Facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhe no Twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhe no Linkedin

Saiba como a conectividade dos ativos está reduzindo riscos no setor de óleo e gás

O setor de óleo e gás é uma atividade que envolve altos riscos, seja em qualquer uma das suas três áreas de atuação: upstream (atividades de exploração, perfuração e produção), midstream (atividades de refino) e downstream (atividades de transporte, distribuição e comercialização dos derivados de petróleo). Em todos esses ambientes, a confiabilidade, integridade e bom funcionamento de equipamentos, junto com uma inteligente estratégia de manutenção, é que vão garantir a segurança das operações.

Segundo o estudo “Global IoT in Oil on Gas Market”, realizada pela empresa de pesquisa Research and Markets,  a Internet das Coisas (Internet of Things – IoT) é fundamental para que o setor implante novos modelos de negócios e, principalmente, ganhe a capacidade de tomar decisões estratégicas com muito mais rapidez e assertividade, elevando a eficiência dos processos e o nível de segurança das operações, com uma previsão de investimentos que deve chegar a US$ 39,40 bilhões em 2023.

Sensores integrados, automação e conectividade, e o consequente compartilhamento de informações em tempo real, reúnem e fornecem dados operacionais de locais remotos, ou não, o que ajuda os gestores a avaliarem a eficiência das operações de maneira precisa e detalhada.

A conectividade dos ativos também vai de encontro a um dos maiores desafios do setor de óleo e gás: a necessidade de remover a barreiras físicas para que as empresas possam atingir locais remotos, onde o ser humano não pode chegar, e garantir a integridade dos ativos – equipamentos, tubulações, robôs etc – utilizados nessas operações.

As principais áreas de aplicações da IoT e a conectividade dos ativos no setor de óleo e gás incluem a gestão de ativos, manutenção preditiva e preventiva, monitoramento de tubulações, gerenciamento de segurança e também atividades ligadas a midstream e a downstream, como gestão de frotas.

Menos custo, mais segurança

Atualmente, onde o valor da conectividade dos ativos é mais percebido nas atividades de upstream do setor de óleo e gás é na redução de tempos de parada, que podem ser causados desde por condições climáticas até por falhas de equipamento. Essas paradas têm um grande impacto na receita, respondendo por cerca de 10% a 20% dos custos totais de perfuração.

Com as soluções de IoT, as empresas conseguem implantar estratégias eficientes de manutenção preditiva, antecipando a possibilidade de falhas e detectando vazamentos rapidamente – e assim identificam possíveis problemas antes que eles comecem.

As soluções de IoT enviam alertas sempre que identificam que um ativo precisa de manutenção, com base em um cruzamento de uma série de dados coletados em tempo real nos locais de exploração, evitando paradas repentinas e até mesmo grandes acidentes, como o ocorrido no Golfo do México em 2010, quando a plataforma Deepwater Horizon, operada pela empresa britânica BP, explodiu e derramou cerca de 3,2 milhões de barris de petróleo, formando uma mancha que atingiu cerca de 22 milhas de comprimento.

Já na área de midstream, a IoT é usada para medir a espessura da tubulação, vazão, pressão e várias outras atividades. Essas medições poderiam até ser feitas manualmente, mas seria um trabalho demorado – a entrega dos dados não seria feita em tempo real e muito menos analisada em tempo real, com alto custo e, principalmente, passível de erro, o que pode ser a diferença entre uma operação eficiente e um grande desastre.

Algumas atividades de refino precisam ser mensuradas em tempo real, como o caso de uma válvula, já que uma mudança na taxa de fluxo exigiria o controle quase instantâneo da sua vazão.

E, na área de downstream, a IoT irá permitir um melhor gerenciamento da frota de transporte, indicando rotas mais rápidas e seguras, e rastreando o local exato onde se encontra um caminhão, fornecendo dados imediatos para que o sistema de geolocalização possa analisar e tomar ações de forma automática. Assim, é possível estabelecer novas rotas ou mesmo acionar imediatamente equipes técnicas que irão ao local com mais agilidade e segurança.

Inovadoras soluções de IoT e a conectividade dos ativos proporcionada pela tecnologia de Redes Mesh oferecem mais eficiência ao planejamento de gerenciamento de risco no setor de óleo e gás, que envolvem todos os ativos, físicos ou não, como plataformas, dutos, navios, refinarias, sistemas e, claro, trabalhadores.

Receba nossos conteúdos

Preencha seu email e receba nossos conteúdos sobre Gestão de Ativos

Entre em contato

Email: contato@atech.com.br
Tel.: 55 (11) 3103-4600
Rua do Rocio, 313 – 5° andar
Vila Olímpia – São Paulo – SP

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados.
Criado pela Intelligenzia