Três tendências, em particular, estão convergindo para impulsionar o futuro da eletricidade: eletrificação, descentralização e digitalização. Atualmente, essas tendências estão no limite da rede física – tecnologias inteligentes e conectadas no final da rede elétrica. Elas abrangem todas as principais tecnologias – como armazenamento distribuído, geração distribuída, medidores inteligentes, aparelhos inteligentes e veículos elétricos – que estão impactando o sistema elétrico.

Segundo o WEF (World Economic Forum) globalmente a adoção dessas novas tecnologias “de ponta da rede elétrica” poderia gerar mais de US$ 2.4 trilhões em criação de valor para a sociedade e a indústria até 2027, aumentando a eficiência do sistema geral, otimizando a alocação de capital e criando novos serviços para os clientes.

Claro que essas previsões não levaram em conta a pandemia do Covid-19 e a crise econômica mundial que certamente virá. Mas precisamos nos lembrar que, quando a economia voltar a se reaquecer, quem estiver bem preparado para dar o seu start, ganhará vantagem competitiva.

Adoção deverá manter ritmo

A queda rápida dos custos das tecnologias de ponta da rede elétrica vem impulsionando sua adoção pelos clientes. Medidores inteligentes, dispositivos conectados e sensores de rede aumentarão a eficiência do gerenciamento de rede e, mais importante, permitirão que os clientes tenham informações em tempo real sobre a oferta e a demanda de energia em todo o sistema.

Para os consumidores, a implantação de tecnologias de ponta da rede permitirá que eles ocupem o centro do palco do sistema elétrico, produzindo sua própria eletricidade, e aí armazená-la e consumi-la em um momento mais barato ou vendê-la de volta à rede. Esse sistema permitirá até transações descentralizadas ponto a ponto.

Já o esperado aumento na adoção de veículos elétricos irá demandar uma grande flexibilidade da rede na forma de armazenamento, mas também pode representar desafios de congestionamento no local, por exemplo, se um grande número de veículos elétricos demandarem pontos de recarga em uma determinada região ao mesmo tempo.

Eletrificação, descentralização e digitalização

Assim como em diversos outros setores, o setor elétrico está no meio de uma transformação, onde a tecnologia e a inovação transformam modelos tradicionais de geração para além do medidor.

Três tendências em particular estão convergindo para impulsionar transformações no futuro da eletricidade:

  • Eletrificação de grandes setores da economia, como transporte e aquecimento
  • Descentralização, estimulada pela forte queda nos custos dos recursos energéticos distribuídos, como armazenamento distribuído, geração distribuída, flexibilidade de demanda e eficiência energética
  • Digitalização da rede, com medição inteligente, sensores inteligentes, automação e outros dispositivos digitais, tecnologias de rede e além do medidor, com soluções de Internet das Coisas (IoT) e de conexão inteligente, e uma onda de dispositivos conectados que consomem energia

Essas três tendências atuam em um ciclo contínuo, possibilitando, amplificando e reforçando melhorias e desenvolvimentos que vão além de suas contribuições individuais. A eletrificação é fundamental para redução de carbono a longo prazo e representará uma parcela cada vez mais relevante de energia renovável. Enquanto isso, a descentralização torna os clientes elementos ativos do sistema e requer uma maior coordenação entre concessionárias, distribuidoras e usuários. Por fim, a digitalização suporta as outras tendências, permitindo mais controle, incluindo otimização automática em tempo real de consumo e produção e interação com os clientes.

Atendendo a um novo usuário

O papel da rede elétrica, aliada a sistemas de conexão inteligentes, está evoluindo além do fornecimento de eletricidade e está se tornando uma plataforma que também maximize o valor dos recursos de energia distribuídos.

A distribuição de energia gerada centralmente representará uma parcela menor nos modelos de negócios, mas poderia ser compensada pela receita de novos serviços de distribuição e varejo. Clientes individuais serão capazes de selecionar as tecnologias de sua escolha, conectá-las à rede e, eventualmente, fazer transações com outros recursos distribuídos e descentralizados.

Esse sistema elétrico mais inteligente, mais descentralizado e ainda mais conectado pode aumentar a confiabilidade, segurança, sustentabilidade ambiental, utilização de ativos e abrir novas oportunidades para serviços e modelos de negócio, aumentando a eficiência do sistema geral, otimizando a alocação de capital e criando novos serviços.

Novas fontes de energia

Novas fontes de energia emergentes, como solar e eólica, estão mudando a maneira como armazenamos e distribuímos energia. De um sistema centralizado tradicional que contava com fontes simples de energia, a nova onda de energias renováveis é um desafio potencialmente desestabilizador para a rede elétrica tradicional.

A abordagem do tamanho único para o fornecimento de energia não se ajusta mais à variação do consumo público. A rigidez formal da configuração atual não foi projetada para lidar com a entrada de fontes de energia novas e inovadoras. Portanto, é preciso contar com uma nova infraestrutura rapidamente.