CategoriesAgronegócios,  Gestão de Ativos,  Mineração,  Óleo e Gás,  Senior

Saiba mais sobre a importância do Analytics para o monitoramento de ativos em ambientes adversos

Se o monitoramento de ativos ainda não alcançou a sua capacidade máxima dentro das plantas industriais, imagine o monitoramento de ativos em ambientes adversos, como os que fazem parte do dia a dia dos setores de óleo e gás, mineração e, por que não dizer, da criação de rebanhos?

Mas com o uso de ferramentas de Analytics é possível aproveitar a enorme quantidade de dados gerados por sensores de IIoT (Industrial Internet of Things – Internet das Coisas Industrial), com suas máquinas conectadas à Internet e a plataformas de análises avançadas que processam os dados produzidos pelos equipamentos.

Com o monitoramento de ativos em ambientes adversos, as empresas ganham a capacidade de usar esses dados para alinhar as atividades de manutenção às necessidades, riscos e criticidade de cada ativo, definindo prioridades e elaborando cronogramas com base em previsões altamente confiáveis – a chamada manutenção preditiva.

A mina do futuro

A tendência é que operações e pessoas estejam conectadas no setor de mineração – connected mine e connected workers – convergindo os sistemas de TI com os sistemas de operação.

As soluções de mina conectada integram as informações de todos os sistemas produtivos, da mina ao porto, e aproveitam as ferramentas de Analytics para gerar insights que são distribuídos para todas as pessoas envolvidas na cadeia de produção. Esses dados são coletados tanto nos sensores embarcados em equipamentos quanto nos trabalhadores, munidos de diversas tecnologias wearables como smart glasses e smart watches.

Todas essas informações, enviadas pelos sensores, é que vão permitir o monitoramento de ativos em ambientes adversos, como o interior de uma mina, em tempo real. Com técnicas de Inteligência Artificial, e possível predizer quando o equipamento irá falhar, com semanas ou meses de antecedência.

Assim, é possível evitar acidentes, reduzir paradas não programadas que acarretam perda de produtividade e também reduzir o custo da manutenção, deixando de lado ações corretivas, que são as mais caras.

Segundo Eduardo Prado, especialista em tendências em mobilidade e convergência, o setor de mineração é uma área “fértil” para IIoT já que essa tecnologia está evoluindo muito, o segmento está atrasado décadas em termos de tecnologia e “a nova geração dos executivos das mineradoras está ansiosa para apostar em tecnologias diferenciadas nas minas, como conectividade, wearables, manutenção preditiva, controle de ativos, sensores e Big Data, entre outras, para expandir-se, aumentar produtividade e reduzir custos”.

A digitalização no setor de óleo e gás

Segundo a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP), as reservas de petróleo brasileiras comprovadas já somam quase 14 bilhões de barris do óleo. Especialistas do Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa em Engenharia (Coppe) da UFRJ, no Rio de Janeiro, apontam uma expansão de 55 milhões de barris de petróleo em razão das reservas do pré-sal. Caso esse cenário se confirme, o Brasil saltará da 14ª para a 8ª posição no ranking global de reservas de petróleo até 2020.

Mas, para manter a sua competitividade, um dos grandes desafios do setor é encontrar soluções de monitoramento de ativos em ambientes adversos, garantindo tanto a segurança dos equipamentos quanto dos seus operadores.

Isso só será possível com o correto uso de ferramentas de Analytics, coletando a analisando dados enviados e prevendo o momento exato para realizar ações de manutenção, substituindo operações baseadas no tempo de uso do equipamento. Com o monitoramento e análise das características dos sistemas, é possível prever o momento de uma falha e realizar somente a manutenção necessária para manter o bom funcionamento de determinado ativo, reduzindo o tempo de parada e reduzindo o custo.

Em um setor que se caracteriza por operar em ambientes adversos como o subsolo marinho, onde não há possibilidade de contar com pessoas nas operações, é necessário ter a certeza da total confiabilidade e disponibilidade dos equipamentos. Ferramentas de análise e gestão de dados, incorporadas a sistemas de monitoramento de ativos em ambientes adversos, é que vão transformar os dados em informações relevantes, com ganhos nas áreas de manutenção de instalações e gerenciamento de dados operacionais.

Segundo José Firmo, presidente do Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás e Biocombustíveis, as novas tecnologias “estão levando o setor a uma evolução mais preditiva e não preventiva, o que pode trazer excelentes resultados no futuro”.

Rebanho bovino seria um ativo?

Para o setor de agronegócio, sim, o rebanho bovino é um ativo e a sua criação requer ferramentas de monitoramento de ativos em ambientes adversos tanto quanto os setores de óleo e gás ou de mineração. Afinal, rebanhos são criados em locais remotos e difícil acesso por conta de sua extensão, e enfrentam secas, enchentes, e outras situações adversas nos pastos.

E como a Internet das Coisas e sistemas de Analytics se encaixam na criação de rebanhos? Em uma grande fazenda, milhares de cabeças de gado precisam ser monitoradas constantemente. Em muitas delas, a alimentação é individualizada, de modo a resultar na engorda no tempo certo, em animais com melhor saúde e, consequentemente, em um produto de melhor qualidade.

A união de sensores e soluções de Analytics pode monitorar os sinais de saúde dos animais. Especialistas afirmam que pela forma como um boi caminha é possível avaliar a sua saúde, e que um sensor pode detectar o nível de acidez do estômago ou informar a quantidade de água ingerida pelo animal. Os dados consolidados são enviados para veterinários e nutricionistas, que regulam a dieta de cada animal.

Uma empresa global de nutrição animal, inclusive, vem investindo para entregar o que se chama de nutrição holística e serviços de saúde animal. Por meio do monitoramento de ativos em ambientes adversos, ao invés de produzirem quantidades padronizadas de alimentos, a empresa os produz de forma personalizada para cada animal do rebanho de seus clientes – uma alimentação mais rica em minerais ou proteínas, por exemplo.