Redes Mesh vão tornar a Gestão de Ativos mais eficiente
CategoriesConexões Inteligentes,  Gestão de Ativos,  Pro

Redes Mesh vão tornar a Gestão de Ativos mais eficiente

A Internet das Coisas (Internet of Things – IoT) é a base da digitalização de toda a economia, e vem transformando os métodos tradicionais de produção e a gestão de ativos – a jornada rumo à Indústria 4.0. Mas toda essa tecnologia depende de conexão rápida e resiliente, o que nem sempre é fácil de implantar, principalmente em áreas remotas. O uso da tecnologia de Redes Mesh na gestão de ativos tem sido apontado como a melhor solução tanto para áreas urbanas quanto as distantes dos grandes centros.
A fácil instalação de Redes Mesh é que vai apoiar planos como os apresentados no estudo “E-digital – Estratégia brasileira para a transformação digital”, elaborado pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, que pontua como base para uma maior adoção das TIC (Tecnologia da Informação e Comunicação) no setor agropecuário a implantação de um maior cobertura da infraestrutura de acesso à internet banda larga, possibilitando o acesso a aplicativos, disseminação da informação, treinamento e integração a mercados e bases de dados em tempo real.
Ainda de acordo com o estudo, novas aplicações de IoT trarão melhorias consideráveis nos processos industriais, como o uso de sistemas autônomos, que permitirão que os insumos sejam processados com maior produtividade, além de garantir maior precisão nos processos produtivos; o uso de sensores que, capturando dados em tempo real poderão prevenir eventuais problemas e garantir a segurança, a eficiência energética e o bom funcionamento dos sistemas integrados e também a implantação de aplicações voltadas para a manutenção preditiva, que poderão antever a necessidade de reposição de peças e eventuais desgastes.

O estudo finaliza ressaltando que até 2025 os processos relacionados à Indústria 4.0 poderão reduzir custos de manutenção de equipamentos de 10% a 40%, reduzir o consumo de energia de 10% a 20% e aumentar a eficiência do trabalho de 10% a 25%.

Segundo Thelma Troise, idealizadora da comunidade “Tudo sobre IoT”, não é difícil calcular o ROI (Return on Investment) da implantação da IoT para gestão de ativos, já que o impacto de uma máquina parada certamente é muito maior do que o investimento em um processo inteligente de IoT com ação sistemática de controle e monitoramento, com o objetivo de reduzir ou impedir falhas.

“Uma estratégia eficiente de manutenção aumenta a confiabilidade e mantém o equipamento em operação, sem surpresas inesperadas”, diz Thelma. “O processo de decisão sobre o investimento em IoT para a gestão de ativos deve ter tanta importância quanto o que envolve a implantação de políticas e tecnologias de segurança digital. Quem fecha os olhos para essa necessidade pode se arrepender amargamente, já que um maquinário parado na esteira industrial pode causar prejuízos irreversíveis para a marca e para a empresa”.

Investindo na comunicação com Redes Mesh para a gestão de ativos
Todo o conceito da Indústria 4.0 e a possibilidade de otimizar a gestão de ativos está baseada em comunicação, e é preciso conectar dispositivos e sistemas de modo a que haja coleta, integração e análise dos dados de diversos equipamentos, reunindo as informações de toda a cadeia produtiva, laboratórios, logística, planejamento, operação.
O objetivo de implantar uma infraestrutura de comunicação deve ser:
• Obter o máximo de dados de ativos e sistemas para criar um ecossistema de informações
• Conectar sensores e sistemas com diversos padrões e protocolos, além de sistemas legados
• Montar uma infraestrutura de conexão que permita escalabilidade e simplicidade de crescimento
E toda essa infraestrutura necessita de uma tecnologia capaz de suportar todas as novas demandas da Indústria 4.0. As Redes Mesh oferecem a capacidade conectar dezenas ou centenas de pontos em plantas industriais que “conversam” entre si e estendem a conexão da rede para áreas maiores.
Os pontos ou nós das Redes Mesh são pequenos radiotransmissores que funcionam como um roteador wireless, se comunicando com os dispositivos e sensores e entre si. Nas Redes Mesh, somente um ponto precisa estar fisicamente ligado a uma conexão de rede com a Internet, que compartilha a sua conexão com os pontos ao seu redor e assim sucessivamente, por meio da características de saltos (hops em inglês) exclusivo da topologia de Redes Mesh, aumentando de maneira simples a área coberta.
Conectividade abrangente, flexível e escalável
O uso de Redes Mesh na gestão de ativos oferece uma solução de conectividade abrangente, flexível e escalável, permitindo o acesso a locais sem nenhuma infraestrutura de rede de comunicação, por mais remota e incipiente que seja, ou podendo se aproveitar de uma infraestrutura de rede já disponível pela empresa, reduzindo os investimentos e acelerando a implantação da solução.
O setor de distribuição de energia, por exemplo, é um dos que vem se beneficiando com o uso de Redes Mesh na gestão de ativos, coletando dados em tempo real de diversos sensores embarcados em equipamentos instalados em locais remotos. Quando é identificada a possibilidade de uma falha, o problema pode ser corrigido remotamente ou, se for necessário, uma equipe pode ser enviada ao local onde está ocorrendo o problema, agilizando o reestabelecimento da plena operação do equipamento e reduzindo custos com deslocamentos desnecessários.
Uma importante distribuidora de energia elétrica brasileira vem utilizando a solução de Redes Mesh para gestão de ativos desenvolvida pela Atech com muito sucesso e, durante o período de testes de homologação, além de ter demonstrado níveis de disponibilidade variando entre 98% e 99%, a tecnologia se revelou como uma solução de conectividade de melhor custo-benefício, mais simples de implantar, e custando cerca de 30% do valor da tecnologia de conexão por rádio modem ou rádio digital.
Segundo Ricardo Hayashi, Chief Product Owner da Atech em Conexões Inteligentes, a solução de Redes Mesh tem sido amplamente adotado e vem atendendo à demanda do setor de energia por maior conectividade no monitoramento remoto de ativos.