CategoriesImprensa

Primeira operação da sala de comando do LABGENE

No dia 25 de outubro foi realizada a primeira operação da Sala de Comando do LABGENE, com operadores do Centro de Instrução e Adestramento Nuclear de Aramar (CIANA).

A sala é projetada pela ATECH e foi conectada ao simulador do LABGENE, objeto do contrato com a empresa francesa Corys, por equipe da DDNM e da empresa brasileira ATECH, permitindo que os operadores
simulassem variação de potência nuclear, pelo aumento da rotação do motor elétrico da propulsão.

Os equipamentos instalados serão empregados na sala réplica da Sala de Comando, a ser instalada no CIANA para a formação e licenciamento dos futuros operadores do LABGENE. O simulador, somente nos
computadores, está instalado desde 2016 no CIANA.

Este teste permitiu demonstrar a capacidade conjunta dos trabalhos que estão sendo desenvolvidos pela ATECH e DDNM.

 

https://www.marinha.mil.br/ctmsp/sites/www.marinha.mil.br.ctmsp/files/informativos/nucleo-news-atual.pdf

 

Fonte: Marinha do Brasil

CategoriesAgronegócios,  Logística,  Senior

Veja como melhorar o controle de frotas e transporte de mercadorias no agronegócio

Entre as principais economias mundiais, o Brasil é o País que tem a maior concentração rodoviária de transporte de cargas e passageiros, o que exige um rigoroso controle de frotas para manter a competividade da economia. No País, 58% do transporte é feito por rodovias – contra 53% da Austrália, 50% da China, 43% da Rússia, 32% da Rússia e 8% do Canadá, segundo dados do Banco Mundial.

A malha rodoviária é utilizada para o escoamento de 75% da produção no País, seguida da marítima (9,2%), aérea (5,8%), ferroviária (5,4%), cabotagem (3%) e hidroviária (0,7%), de acordo com a pesquisa “Custos Logísticos no Brasil”, da Fundação Dom Cabral.

Responsável por 21% do PIB nacional, o agronegócio, segundo um levantamento realizado pela Confederação Nacional dos Transportes (CNT) – “Sondagem de Eficiência Energética no Transporte Rodoviário de Cargas” – é responsável pela maior parte das cargas transportadas no Brasil. De acordo com a pesquisa, 39,7% são classificadas como granel sólido, o que engloba cereaisfertilizantes, além de produtos britados ou em pó. A carga fracionada – mercadorias variadas de diferentes clientes – ocupa a segunda colocação com 35,3% do total transportado no País.

Para os analistas da CNT, o custo com diesel, principal insumo do transporte rodoviário de cargas, responde por cerca de 30% a 40% de seu custo operacional. O estudo sugere que, somente o treinamento de motoristas de caminhão poderia proporcionar 12% ou mais de economia de óleo diesel.

 

Greve de caminhoneiros provoca alta de custo com frete

Aliada à dependência do modal rodoviário, o agronegócio enfrenta mais um desafio: a tabela de preços mínimos para o frete estabelecida pelo governo após a paralisação dos caminhoneiros no final de maio de 2018, a qual terá um grande impacto no custo das exportações de produtos agrícolas.

Um estudo do Grupo de Pesquisa e Extensão em Logística Agroindustrial da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq-Log/USP) aponta que o aumento mínimo de custos esperado em 2018 para o transporte de produtos até os portos, com a imposição da tabela, é de 70% (R$ 11 bilhões). Mas a alta pode chegar a 154% (R$ 25,1 bilhões) se o contratante também pagar o frete de retorno do caminhão vazio após o desembarque nos portos.

 

Abralog defende o uso de tecnologia

Pedro Moreira, presidente da Associação Brasileira de Logística (Abralog) defende que, atualmente, é muito difícil pensar em logística de alta performance sem investir em tecnologia, roteirizadores, rastreadores, softwares e aplicativos de gerenciamento, que levam ao aumento da produtividade e ajudam a reduzir ineficiências.

“A tecnologia permite fazer mais com menos e reduzir consideravelmente os custos. Ou seja, com sistemas de roteirização há um melhor aproveitamento do espaço dos caminhões. Por outro lado, a telemetria interligada ao GPS gera acompanhamento da condução do veículo; útil não apenas em termos de segurança, mas também por enxergar as entregas em tempo real, corrigindo assim eventuais problemas e, principalmente, o controle dos tempos ociosos”.

Além da implantação de soluções para o gerenciamento de logística e controle de frotas, Moreira também destaca a necessidade de renovar a frota, apontada como um fator bastante positivo para o aumento da eficiência do setor, já que leva a ganhos substanciais em itens como consumo de combustível, troca de pneus e manutenção veicular. “Caminhões modernos, além de automáticos e menos poluentes, permitem troca rápida de informações através de sensores, e isso torna possível uma melhor gestão”, ressalta Moreira.

 

A importância de investir em logística

Com a crescente importância do agronegócio para a economia brasileira, todos os envolvidos no setor estão buscando reduzir os custos com armazenagem e transporte dos produtos. Objetivo que só poderá ser alcançado com maior visibilidade e rastreabilidade de todos os processos que envolvem o fluxo das mercadorias.

Melhorar o controle de frotas, otimizando o transporte de mercadorias, traz diversos desafios para os gestores, os quais precisam identificar os principais custos e encontrar oportunidades para controlar e reduzir as despesas.

Especialistas indicam que os maiores custos relacionados ao controle de frotas são:

  • Manutenções da frota
  • Consumo de combustível
  • Treinamento dos motoristas
  • Seguro para a frota
  • Documentação e impostos
  • Depreciação da frota
  • Frota ociosa
  • Roteirização ineficiente

A melhor saída para reduzir esses custos e garantir o controle de frotas para o transporte de mercadorias no agronegócio, está na implantação de inovadoras soluções para a gestão e governança dos processos logísticos, de maneira confiável, segura e com alto desempenho, integrando todas as áreas envolvidas. O conjunto de soluções OKTO, desenvolvido pela Atech, atende a todos esses requisitos. Saiba mais como gerenciar toda a sua operação logística com mais eficiência.