CategoriesLogística,  Pro

Integração entre soluções e processos de Supply Chain permitem decisões mais assertivas

Qual é o principal objetivo da implantação de eficientes processos de supply chain? Oferecer o melhor atendimento ao cliente, com o menor custo total possível. E isso só é possível com a interação dos processos de todos os atores envolvidos nessa cadeia, aproveitando todas as vantagens oferecidas por inovadoras soluções de gerenciamento que permitem tomar decisões com menor margem de risco e operar com maiores níveis de eficiência.

Andrew Cox, especialista em supply chain, destaca oito características que determinam a eficiência do gerenciamento dos processos de supply chain:

  • Trabalhar sempre com o objetivo na perfeição da entrega de valor aos clientes
  • Produzir apenas o que é necessário e se concentrar apenas nas ações que criem fluxo de valor
  • Focar na eliminação de perdas de todo o processo operacional, como por exemplo, superprodução, tempo de espera grande, transporte, processamento inadequado, defeitos, inventários e movimentos desnecessários
  • Reconhecer que todos os membros da cadeia de suprimentos estão interessados em um mesmo objetivo que é o de acrescentar valor ao produto
  • Desenvolver relacionamentos de reciprocidade e confiança com fornecedores e clientes
  • Trabalhar com fornecedores com o objetivo de criar uma logística mais eficiente
  • Reduzir o número de fornecedores e trabalhar melhor com eles para se ter um relacionamento a longo prazo
  • Criar uma rede de fornecedores para trocar informações de redução de perdas e eficiência operacional no fornecimento de produtos e serviços

 

Transformação digital integra soluções e processos

As cadeias de suprimentos estão cada vez mais complexas e, por isso, inovadoras tecnologias e soluções estão sendo usadas para auxiliar a troca de informações e de conhecimentos, garantindo mais eficiência e eficácia. Processos de supply chain são automatizados, o que resulta em maior alinhamento, interconectividade e colaboração entre todos os envolvidos, otimizando estoques e reduzindo custos.

Essa é a realidade da Logística 4.0, como destaca Jefferson Castro, gerente de Produto da Atech. Segundo o especialista, a gestão da cadeia logística das empresas fica cada vez mais ágil à medida que aumenta automação dos processos. Com a possibilidade de migrar sistemas e soluções para a nuvem (Cloud computing), é possível integrar dados de diferentes fontes, sistemas ou tecnologias. Essa é a Logística 4.0, que integra processos também entre diferentes sistemas, e em tempo real.

Mas as possibilidades de melhoria vão além desse ponto. Com a adoção de uma plataforma tecnológica como o conjunto de soluções único para gestão de ativos e logística – OKTO – desenvolvido pela Atech, é possível conectar nuvem e Logística 4.0 para compor a logística colaborativa, onde as empresas são parceiras e compartilham recursos, “unindo forças para identificar conjuntamente oportunidades de inovação, redução de custos logísticos e, claro, aumento da eficiência operacional”.

Castro destaca que a logística colaborativa, que integra soluções e processos de supply chain desde a entrada de pedidos de clientes até a entrega do produto no seu destino final, garante agilidade, segurança e assertividade dos dados coletados, de modo a ampliar a competitividade de mercado das empresas parceiras, com total visibilidade das informações.

Essa integração entre soluções e processos de supply chain de todos os parceiros “além de agregar ‘inteligência’ aos processos logísticos”, diz Castro, “oferece uma visibilidade total das informações que minimiza os riscos de erro de processamento e maximiza o nível de produtividade, além de ampliar a disponibilidade de equipamentos, melhorar a programação (agendamento) do transporte de material, aperfeiçoar o uso das informações para o desenvolvimento de rotas mais inteligentes e garantir a conformidade com normas regulamentadoras”.