Indústria 4.0: obtenha mais confiabilidade e reduza os riscos para o negócio
CategoriesGestão de Ativos,  Senior

Indústria 4.0: obtenha mais confiabilidade e reduza os riscos para o negócio

Buscando lidar com o aumento da complexidade e da pressão por redução de custos, cada vez mais empresas estão investindo em uma infraestrutura de conectividade robusta para melhorar a confiabilidade na gestão de ativos. Com isso, plantas inteligentes conseguem responder quase que instantaneamente aos desafios para garantir a integração necessária para obter insights para melhorar as operações e reduzir os custos de manutenção;

Como parte integrante do conceito de indústria 4.0, engenharia de confiabilidade é um termo que tem se espalhado como um dos assuntos mais comentados quando falamos em manutenção. Baseando-se no ajuste de diferentes modelos estatísticos, a engenharia de manutenção pode obter uma série de informações que servem de apoio à tomada de decisão. Por meio do estudo do ciclo de vida dos equipamentos, por exemplo, é possível descrever o sistema de produção, atribuindo diferentes graus de confiabilidade a cada um dos blocos de manutenção, e traçando estratégias para aumentar a confiabilidade na linha de produção.

O conceito de confiabilidade e sua importância na indústria 4.0

Confiabilidade se refere, basicamente, à probabilidade de um produto funcionar bem, exercendo as funções previstas para ele dentro de um determinado período em um ambiente específico. Ou seja, muito além de planejar uma estratégia de manutenção preventiva com base em frequências pré-determinadas de ajustes, é preciso atuar de maneira próxima às condições reais do ativo.

Dentro deste conceito, um importante fator que devemos considerar é a ideia de “falha”, que vai muito além do que uma paralisação na linha de produção. Uma máquina que falha pode mostrar qualquer problema que afete sua eficiência, gerando perdas de recursos para o negócio, ou seja, qualquer defeito de funcionamento que afete a segurança e a agilidade das operações são falhas.

O investimento em confiabilidade, além de ampliar o entendimento do que é falha, transforma também a abordagem das causas desses defeitos. Por exemplo, nem sempre uma falha é resultado de falta de manutenção periódica, mas também de falhas humanas, como erros de montagem, por exemplo, ou uma série de outros fatores do ambiente, como a ação do tempo.

Diante deste cenário, ao investir em uma infraestrutura de conectividade para a planta, as empresas podem adotar soluções modernas de gestão de ativos, que permitam às empresas prever não apenas as falhas mais “previsíveis”, causadas pelo uso, mas também especificar itens que falhem devido a instalações impróprias ou outros danos acidentais.

Isso é feito por meio de plataformas de alta tecnologia, com alto nível de conectividade, que são capazes de coletar e analisar dados de múltiplas fontes para extrair insights precisos sobre o estado dos ativos e seu nível de desempenho e confiabilidade. Isso amplia muito mais a capacidade das empresas de atuarem com mais eficiência e segurança.

Saiba o que é uma fábrica inteligente

Por meio dessa evolução impulsionada pela indústria 4.0, a tendência é que vejamos cada vez mais o que chamamos de “fábrica inteligente”, em que sistemas alta sistemas altamente complexos e tecnológicos monitoram processos físicos e possibilitam decisões descentralizadas.

De certa maneira, toda planta trabalha com algum tipo de automatização. Quando falamos em fábricas inteligentes, no entanto, significa um sistema flexível capaz de se otimizar de maneira autônoma ao longo de toda a rede, adaptando-se e aprendendo novas condições em tempo real. Considerada o principal recurso por trás da indústria 4.0, por meio de uma infraestrutura conectada, uma fábrica inteligente permite que empresas automatizem processos complexos de gestão de ativos.

Veja a seguir duas características que um sistema ou fábrica deve ter para ser considerado da indústria 4.0, e entenda como isso deve aumentar a confiabilidade e reduzir riscos para o negócio:

Interoperabilidade: Máquinas, dispositivos, sensores e pessoas devem estar conectados uns aos outros, facilitando o ganho de visibilidade sobre todo o ciclo de vida dos ativos e, consequentemente, o entendimento do seu estado para reduzir o impacto das falhas para o negócio.

Transparência da informação: Por meio do uso de sensores conectados, é possível contar com dados precisos de cada ativo para suportar a tomada de decisão em tempo real. Como os sistemas são capazes de coletar e analisar dados de múltiplas fontes e sistemas, todas as informações são contextualizadas para dar aos gestores de ativos as informações de que precisam para entender o estado real de cada equipamento.

Unindo conectividade e inovações, dois dos pilares da indústria 4.0, a Atech desenvolveu o conjunto de soluções OKTO para Gestão de Ativos, que oferece uma série de recursos para operar em nível global, gerindo ativos de maneira eficiente e confiável, reduzindo os ciclos dos processos e fornecendo rastreabilidade às operações logísticas. Conheça aqui as soluções da plataforma OKTO para Gestão de Ativos.